Assim ficou caracterizado o domingo de 12 de setembro na capital da grande São Paulo. Um dia gostoso para quem pode aproveitar um tempo tranquilo em família, ou até mesmo curtir uma viagem ao litoral ou até mesmo no interior.

Tivemos também uma pequena manifestação contra a democracia incentivada por membros do Movimento Brasil Livre, sigla MBL, que insatisfeitos com o atual governo de Jair Bolsonaro, e tem todo o direito de assim sentir-se, levaram a avenida Paulista um pequeno amontoado de pessoas para pedir o impeachment do presidente e também reivindicar que o governo, ou os governos, sejam mais eficazes na aplicação das vacinas em todo Brasil. Porém se esquecem que esse tipo de manifestação se caracterizam por: 1 – Atos antidemocráticos, uma vez que não respeitam a decisão da maioria na qual elegeu Jair Bolsonaro como presidente; 2 – Promovem a “antideologia” do livre mercado, uma vez que querem que a população pague por vacinas, através do Estado, o que fere exatamente o centro ideológico dolivre mercado.

Manifestantes pedem mais vacinas e impeachment.

Não que sejam hipócritas, mas podemos entendem esse movimento como um jogo politico, apenas para angariar votos, uma vez que ano que vêm teremos novas eleições. Trata-se do momento certo de lembrar as pessoas que eles existem.

No entanto, é preciso lembrar que alguns lideres do MBL, como Kim Kataguiri, não fizeram valer seu posicionamento politico quando tiveram oportunidade – através de seus cargos políticos. A narrativa era ótima, porém na pratica, alguns acabaram sendo mais do mesmo, se alinhando a força de partidos de “centro” e alguns até se apoiando em partidos de esquerda.

A população que não é boba, não se deixa levar por leviandades e narrativas vazias, mas se mostra cada vez mais firme naquilo que acredita ser o melhor para a nação, a liberdade econômica, o estado mínimo e o cancelamento de leis que controlam demais a sociedade.