Durante o 18º Fórum de discussão Valdai, na quinta-feira, 21 de outubro, o presidente da federação russa Vladimir Putin criticou severamente as tendências radicais de esquerda que se espalham no mundo ocidental. A ideologia por trás dela causa deslocamento sociais em todo o ocidente e não é diferente das experiências sociais que ocorreram na Rússia durante a revolução Bolchevique de outubro de 1917.

O ocidente em um caminho já conhecido pelos Russos

A revista norte-americana Daily Wire resumiu as declarações chave do líder russo no foro internacional de debate, na qual ele mesmo criou documentou em vídeo e publicou no site oficial do governo da federação russa. “Observamos com espanto a agonia que se alastra em países que se acostumavam a ser considerados bandeiras do progresso”, expressou o presidente russo em seu discurso, que durou varias horas.

“A direção na qual as sociedades ocidentais estão se movendo é algo que elas tem que decidir por si mesmas e não herdar a responsabilidade russa. Alguns acreditam que o apagamento agressivo de paginas inteiras da própria história com medidas legais coesivas para a suposta igualdade de minorias e a exigência de renunciar a interpretação tradicional de valores tão básicos, como mãe, pai e família e a distinção entre os sexos são um marco, uma renovação da sociedade.”

As nações ocidentais, disse Putin, tinham direito de fazer o que queriam, mas a esmagadora maioria da sociedade russa rejeitou essas novas formas de pensar. Não é novidade, disse Putin, que os autos proclamados defensores do progresso social estão determinados a incutir uma nova consciência na humanidade. A receita que eles utilizam não são novas, todas elas são muito familiares para os russos.

Por mais paradoxal que pareça já vivemos isso na Rússia, isso já aconteceu antes em nosso país após a revolução de 1917, quando os bolcheviques seguiram os dogmas de Marx e Engels e também declararam que mudariam o modo de vida tradicional, o mundo, o modo de vida politico e econômico e o próprio conceito de moralidade. Os princípios básicos de uma sociedade saudável. Eles tentavam destruir valores circulares, questionaram as relações entre as pessoas, encorajaram a fazer isso também em relação a seus próprios parceiros e família, isso foi celebrado com a marcha do progresso. Isso foi muito popular em todo mundo e apoiado por muitos e como vemos isso está acontecendo agora mesmo.

Não menos importante, a absoluta intolerância dos bolcheviques em relação a todas as opiniões que se diferenciavam das suas próprias, deveriam fazer com que as pessoas pensassem, alertou Puttin.

Além disso, a luta pela igualdade e contra a discriminação havia se transformado em dogmatismo agressivo a beira do absurdo quando grandes autores do passado como Shakespeare, não foram mais ensinados nas escolas e universidades porque foram qualificados como clássicos atrasados que não entendiam a importância do gênero ou da raça.

Putin também, criticou as regras recentemente introduzidas em Hollywood em relação ao elenco de papeis de acordo com o conjunto de diretrizes, acordado em relação a cor da pele e gênero. Essas foram muitas vezes até mais rígidas e mais rigorosas do que o departamento de propagando do comitê central do partido comunista da União Soviética. E por mais que a luta contra o racismo fosse um objetivo nobre, cancelar a cultura e reverter a discriminação afastaria ainda mais as pessoas. Isso disse ele também, que era exatamente o oposto de verdadeiros valores, como aqueles defendidos por lideres de direitos civis, como Martin Luther King Jr., cujo o objetivo era eliminar as diferenças. Crimes contra a humanidade em nome do progresso.

Os bolcheviques, recordou Putin, falaram em nacionalizar não apenas as propriedades, mas também as mulheres. Hoje ele acrescentou, termos como pai e mãe são substituídos por “pai um e dois”, ou leite materno por “lei humano”, para que pessoas que não estão seguras com sua agenda sexual não sejam infelizes.

Além disso, já havia sido uma especialidade dos bolcheviques nos anos 1920 e 1930 que pensavam que com isso, construíam uma nova consciência e criavam novos valores, e foram tão longe que ainda hoje estamos sentimos as consequências.

Foi monstruoso, disse Putin, sugerir as crianças desde cedo, que mudança de sexo era uma decisão muito simples que elas poderiam tomar sem o envolvimento de seus pais. Você afasta os pais e força a criança a tomar essas decisões que podem destruir suas vidas. E se chamamos a criança pelo nome é quase um crime contra a humanidade, e tudo sob a bandeira do progresso enquanto algumas pessoas querem fazer exatamente isso.